Curta e Siga


Saiba mais sobre a Rizartrose




Olá! Eu sou a Dani e esse texto fala sobre Saiba mais sobre a Rizartrose.



A artrose no polegar, também conhecida como rizartrose, é um problema mais comum do que muita gente imagina.

Até pouco tempo atrás, a doença era associada ao envelhecimento. No entanto, a mudança de hábitos, especialmente o uso frequente de equipamentos eletrônicos, como teclados, tablets e smartphones, tem aumentado o número de casos entre os mais jovens.

A causa da rizartrose é multifatorial, ou seja, surge devido a uma combinação de fatores, entre eles:

  • Intrínsecos, como a herança e predisposição genética, a exemplo de alterações nos ligamentos que geram hipermobilidade, condição mais frequente entre as mulheres;
  • Extrínsecos, como o excesso de uso dos polegares em atividades do dia a dia, por exemplo a digitação;
  • Pós-traumáticos, como no caso de fraturas que danificam a superfície articular do polegar e lesões nos ligamentos.

Ademais, outro fator recentemente associado à artrose é a obesidade. O aumento da massa corporal e acúmulo de gordura visceral nos tecidos mais profundos do abdômen produz substâncias inflamatórias prejudiciais a todo o organismo, as quais também elevam os riscos de desgastes nas cartilagens dos dedos.

 A rizartrose é uma doença multifatorial, com causas genéticas e ambientais e, portanto, pode ser evitada. Para isso, evite utilizar equipamentos eletrônicos em excesso e proteja os seus polegares de fraturas e outras lesões. Além disso, perder peso é uma boa medida para evitar que a doença se desenvolva.

Um bom médico é capaz de reconhecer casos de rizartrose já na correlação do histórico médico, testes clínicos e relatos de sintomatologia do paciente. Algumas manobras que necessitam do uso da articulação podem ajudar o especialista a realizar o diagnóstico, além da palpação do local.

A rizartrose é classificada em quatro níveis e a opção de tratamento vai depender do grau de avanço da condição e das necessidades do paciente. Como dito, algumas pessoas podem ter rizartrose a vida toda, mas apresentar pouco ou nenhum sintoma e não requerem tratamento.

Quando se falar em tratar a rizartrose, o importante é diminuir a dor do paciente e fazer com que ele possa realizar as atividades do dia a dia da maneira mais eficaz e confortável possível.

Os casos iniciais costumam ser tratados de maneira conservadora, sem cirurgia. Nessas situações, o médico pode receitar o uso de anti-inflamatórios e analgésicos para a dor. A fisioterapia ou terapia ocupacional pode ajudar a encontrar novas maneiras de realizar as mesmas atividades, além de fortalecer as outras articulações da mão – uma vez que a cartilagem não se regenera. Dependendo do caso, pode haver indicação do uso de órtese para manter a articulação protegida, evitando danos mais extensos.

Os pacientes que não tiveram sucesso com o tratamento convencional e/ou perderam parcial ou completamente a mobilidade podem receber indicação para a cirurgia. Existem alguns métodos que podem ser usados para reparar a rizartrose, e a escolha do melhor será realizada pelo ortopedista especialista em mão junto com o paciente, avaliando sempre o avanço da condição e os riscos.

 



Espero que você tenha gostado da abordagem. Segue a gente nas Redes Sociais: Twitter, Facebook, Instagram, e no Youtube. Entre no grupo do Whatsappe no grupo do Telegram

Deixe seu comentário e nos marque(@Sua Saúde) pra gente ver:

Nenhum comentário

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!