Terapia celular é alternativa para artrose








Há algum tempo, o tratamento cirúrgico da artrose só  é butilizado em estágios mais graves. A idade e o risco de complicações durante a cirurgia e no pós-operatório, além do alto custo de materiais e próteses, têm consolidado alternativas, como tratamentos não-cirúrgicos.

O  avanço tecnológico e científico tem proporcionado materiais de alta qualidade e menos agressivos para o tratamento da artrose, voltados a estimular o processo de cicatrização. O Ácido Hialurônico é como um óleo lubrificante de automóvel. Ele é bem viscoso e elástico e está naturalmente presente nos joelhos. Estudos recentes demonstram que esse líquido perde sua propriedade viscosa na artrose. Torna-se fino e deixa de proteger a articulação, facilitando o desgaste. É possível a reposição das propriedades desse 'óleo' por meio da injeção dentro do joelho de um Ácido Hialurônico desenvolvido em laboratório e que traz novamente as propriedades da viscosidade normal, protegendo a cartilagem e melhorando a dor e a mobilidade articular.

Esta terapia é chamada viscossuplementação e tem como vantagem o fato de poder ser aplicada pelo médico no próprio consultório, com o mínimo desconforto, por ser semelhante à aplicação de uma injeção no músculo. O efeito dura de 8 meses a um ano, dependendo do grau da artrose em cada paciente. O tratamento com colágeno, a proteína mais abundante no corpo humano, faz com que a cartilagem tenha função de uma mola biológica, capaz de resistir a impactos. Trata-se de técnica inovadora, trazida de Portugal, e que consiste na aplicação de colágeno injetável associado ao Ácido Hialurônico e outros medicamentos, com a intenção de estimular a cicatrização da cartilagem, bem como modular ou minimizar os efeitos de dor de algum processo inflamatório.

A primeira busca restaurar o funcionamento de tecidos ou órgãos através da reposição de células danificadas por células sadias do próprio paciente. Essa linha de tratamento está sendo bastante utilizada e pesquisada, por apresentar resultados promissores e com índice de complicações praticamente inexistente, além de ser pouco invasiva. As células-tronco derivadas de gordura e o Plasma Rico em Plaquetas (PRP) são as propostas de tratamentos atuais mais promissores no campo da medicina regenerativa, apresentando-se como alternativas terapêuticas de alto potencial de cicatrização.


COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários:

Comente com educação que o seu comentário será aprovado. Participe sempre!